@ Phase 108.1

segunda-feira, 23 de março de 2009

A Rádio e o Futuro


















Esta segunda-feira na RTP – Memória, entre as nove e as dez da manhã, Luís Filipe Costa entrevistado por Maria João Gama no programa «Há Conversa». Um dos nomes grandes da história da Rádio em Portugal reflectindo sobre o futuro da Rádio. Luís Filipe Costa, Mestre dos mestres da Rádio, diz que a Rádio vai acabar. Aliás, uma questão já por ele defendida na primeira série de «Em Nome do Ouvinte», o programa do Provedor dos Ouvintes da RDP (José Nuno Martins). Entre a pertinência e a profecia, um olhar com frieza e inquietação de quem já não está na Rádio – e podia estar, avaliando pela lucidez e clarividências demonstradas:

Quando quem paga a Rádio – os anunciantes – quiserem deixar de publicitar na Rádio, esta vai ter que fechar as portas. Perder-se-à o sentido de pagar as instalações num edifício, com profissionais e equipamento caro.

A Rádio perdeu ambição. Deixou de ser criativa. Limita-se a difundir informação e música. Dizer que Manoel de Oliveira tem um novo filme é notícia e deve ser dita, mas não chega. A Rádio, depois disso, devia ir mais além: convidar o Manoel de Oliveira a ir à Rádio (se aceitasse) e fazer uma hora sobre o seu filme.

Na música já ninguém precisa da Rádio. Tornou-se num gira-discos gigante, onde se chama de “programa de autor” a escolha das músicas. Autor de quê? Do alinhamento? Um autor é um pouco mais do que isso. E hoje em dia temos o iPod, onde podemos fazer o nosso próprio alinhamento com as músicas que mais gostamos de ouvir.

São ideias expostas de quem pode falar com desassombramento por estar a ver a Rádio do lado de fora.
Apesar de estar profissionalmente reformado, Luís Filipe Costa não é um homem do passado e faz falta à Rádio. Nem que seja para nos dizer que ela vai acabar.

......................................................................................................................................................................... Luís Filipe Costa é um dos convidados a contar histórias da Rádio no livro de Marcos Pinto «No Ar 100 Histórias da Rádio».

2 comentários:

Kyriu disse...

ui, que profeta da desgraça... basta conhecer a historia para ver o quao errado ele esta. Ha formas de radio que podem desaparecer ou tornarem-se residuais agora a radio morrer? ahah, nice try friend. we will just keep going and enjoying. tata

Francisco disse...

Este livro está CHEIO DE ERROS HISTÓRICOS !!!