@ Phase 108.1

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Mais sobre Nós













O Volume Continua Alto!
Entre os meses de Fevereiro de 2006 e Novembro deste ano tive o prazer de entrevistar para o blogue «Rádio Crítica» os autores/radialistas/podcasters/bloggers com os quais (eu incluído) se fundou recentemente a «Irmandade do Éter». A «IdE» era ainda uma – já visível – miragem quando se soltaram as primeiras perguntas e respostas. Sentíamos à distância os elos de ligação que nos iriam aproximar aqui, neste espaço, mais de dois anos depois.
A pertinência e actualidade de quase todas as palavras, inquietações e desejos mantêm-se intactas.
Sobre Rádio e Podcast, seguem-se, por ordem cronológica, algumas das declarações dos entrevistados Pedro Esteves, Ricardo Mariano, Francisco Amaral, Nídio Amado, Hugo Pinto e Zito C.

“As rádios são todas iguais. As pessoas vão perceber que não vale a pena ouvir uma playlist feita por outros quando a música está aí, na Internet, e que podem escolher a gosto as suas músicas preferidas. A música, que passa actualmente nas nossas rádios generalistas, chega primeiro à Internet. A rádio vai ter de se adaptar a esta realidade.”
(...)
“Comecei a ouvir rádio na adolescência, fascinado com o seu potencial de comunicação. Comecei pelas estações de onda média, pela Renascença, pelo António Sala e companhia, pela voz e pela palavra (era o que a minha mãe ouvia). Mais tarde descobri o FM, a Rádio Comercial, o António Sérgio, o Luís Filipe Barros. Foi esse o "gatilho" que me levou para a rádio, ainda miúdo, aos 13 ou 14 anos, no tempo das rádios piratas.”

Pedro Esteves
Ler entrevista completa aqui


“O produto das rádios nacionais, de sintonia nacional, é muito igual e absolutamente desolador. Estas rádios são, cada vez mais, formatadas, obtusas, espelho das castradoras playlists que afogam o papel do realizador de rádio e abreviam a oferta de novos, alternativos e criativos programas de rádio. Depois isto é um ciclo vicioso. As rádios das massas regem-se, inevitavelmente, conforme os critérios e padrões umas das outras. Falta coragem, muita coragem. Temos as antenas 1, 2 e 3: a rádio pública. A Antena 3, quando surgiu, assumiu-se como uma rádio diferente. É o que se vê!... Com a excepção de alguns programas nocturnos, não oferece nada de novo. A Antena 2 lá se vai abrindo ao Jazz – ainda pouco – mas tem ali espaço para tanto e ninguém põe mão naquilo. Será que, por exemplo, a “Íntima Fracção” do Francisco Amaral não cabe ali? Haja coragem!”
(...)
“As playlists são uma imposição das grandes editoras. Infelizmente, no nosso país, há muito o "efeito bola de neve" – as rádios nacionais tendem a seguir as piores políticas.É claro que as rádios menos poderosos têm de seguir estes critérios editoriais para sobreviver, mas, a meu ver, as playlists são impostas pela indústria e as rádios nem esperneiam.”

Ricardo Mariano
Ler entrevista completa aqui


“Uma contradição proveniente do pensamento liberal económico. Os sectores que aparentemente defendem os direitos da individualidade, são os grandes entusiastas da massificação e do controlo. As rádios portuguesas estão absolutamente controladas, massificadas e banalizadas. Salvam-se algumas pequenas rádios locais – muito poucas – e os exemplos das rádios universitárias.”
(...)
“As playlists é um mal. Ponto final. A desculpa da viabilidade económica das rádios é patética, muito pior do que pateta. O panorama actual é o da queda da importância da rádio. A música na rádio está absolutamente desconsiderada. Não é a rádio que faz os êxitos. É a televisão, os vídeoclips. O papel actual da rádio, em matéria de música, é consolidar os êxitos das grandes distribuidoras. É uma extensão desavergonhada do negócio. Embora esta relação perigosa seja histórica, pelo menos desde o chamado "Payola scandal", nos anos 50 do século XX, nos EUA, a música que a rádio agora ajuda a vender, é a mais "pechisbeque", falsa, e aquela que nunca fará a roda da História andar em frente.”

Francisco Amaral
Ler entrevista completa aqui


“A rádio tradicional sempre teve uma grande desvantagem em relação à televisão, as pessoas quando não podiam ver um programa deixavam o vídeo a gravar. A rádio sempre foi um meio de comunicação em que os programas tiveram um tempo de vida curto, reduzido ao momento da sua emissão. A menos que houvesse uma repetição, se alguém perdesse um programa não o podia ouvir. O podcast vem colmatar esta grande desvantagem da rádio. Por outro lado, penso que dentro de dois ou três anos poderá ser uma grande vantagem comercial para as rádios. Com a evolução dos telemóveis em termos de hardware e software vai criar-se um mercado para conteúdos áudio pagos e, consequentemente, uma boa oportunidade de negócio para a rádio. Um pouco como está agora a acontecer com o itunes. Só que na Europa, e em especial em Portugal, dada a nossa tradição no uso do telemóvel acho que as pessoas só aceitarão pagar quando a tecnologia estiver disponível nestes equipamentos e for tão simples de usar como no itunes. Se a rádio souber adaptar-se, o podcast será, sem dúvida, uma mais valia.”
(...)
“Comecei a ouvir rádio regularmente desde os 14 anos. Acho que houve nos últimos anos uma regressão generalizada em termos qualitativos. Talvez a excepção tenha sido a Antena1, que tem melhorado, significativamente, sobretudo com o recrutamento de elementos valiosos dos quadros da TSF, apesar de ainda não ter conseguido libertar-se de alguns maus vícios do passado. O encerramento da VOXX foi lamentável, tal como aconteceu com a XFM nos anos 90, e a expansão do grupo Média Capital acabou por ser negativa, a estratégia que adoptaram de formatação das rádios teve resultados desastrosos. Tenho bastantes saudades da TSF dos anos 90.”

Nídio Amado
Ler entrevista completa aqui


“A maior ameaça à Rádio tradicional é a tradição. Ou seja, é a própria Rádio. E o mesmo se pode dizer relativamente à Imprensa ou à Televisão. A natureza destes meios implica uma dialéctica com a tecnologia e o progresso. Neste sentido, a Rádio e os outros meios considerados "tradicionais" devem saber integrar e tirar partido das extensões que a evolução proporciona. O vídeo não matou a Rádio, mas a Rádio mudou. Com o aparecimento da Internet aconteceram novas transformações. É assim que deve ser. Depois, é necessário ter em conta que na Rádio, na Imprensa e na Televisão trabalham profissionais, pessoas que dedicaram a vida a estudar o meio e a melhorar práticas comunicativas. Há uma sistematização do saber, um acumular – algo que os novos meios ainda não têm. Lá chegarão.”
(...)
“Diria que as playlists são um mal, ponto. A Rádio teve sempre um papel de agente divulgador musical. É óbvio que têm que haver critérios para a selecção musical, mas esses critérios deveriam ser definidos com uma lógica de promoção da diversidade. Há imensa música dita popular ou de cariz comercial de elevada qualidade. E sublinho apenas que há imensa, já que a qualidade e os gostos se discutem, e muito.”

Hugo Pinto
Ler entrevista completa aqui


“Ainda me considero órfão da extinta XFM. Foi a primeira vez que me identifiquei com uma rádio, com o seu conceito, com os seus objectivos, com quase toda a música, e essencialmente com a forma de fazer rádio. Foi com a XFM que conheci alguma da melhor música que ainda hoje gosto, e foi com a XFM que abri horizontes para tantos novos sons. Depois da XFM virei-me para a TSF, pelas notícias, pelos excelentes programas de autor. Com a mudança que ocorreu na TSF apenas continuo a ouvi-la quando se muda de hora. A Radar tem muitos programas interessantes que acompanho menos do que gostava.”
(...)
“Não gosto nada de playlists, aceito a justificação da “viabilidade económica” sem no entanto compreender que à sua conta se deixem cair ou limitem excelentes programas de autor. Uma das vantagens dos podcasts é a liberdade total do seu criador.”

Zito C.
Ler entrevista completa aqui

Sem comentários: